Últimas notícias

Últimas notícias

Champions League

Liga Europa

História

Confira o que rolou na quarta de Champions League

Confira o que rolou na Terça de Champions League

Mais quatro grupos da Liga dos Campeões tiveram suas situações definidas nesta quarta-feira. Agora, já conhecemos as 16 equipes que seguem para as oitavas de final, e os oito participantes que foram "rebaixados" para a Europa League.

O grupo F, teve o jogo mais aguardado do dia. O Real Madrid recebeu o Borussia Dortmund no Santiago Bernabéu, e acabou apenas empatando em 2 a 2. Benzema fez os dois gols merengue. Com o empate, o Borussia terminou a chave na primeira colocação, relegando o Real ao segundo posto. O Légia Varsóvia ficou com o terceiro lugar, tirando o Sporting da Europa nesta temporada.


Pelo grupo G, o Porto recebeu o Leicester, e acabou goleando por 5 a 0, ratificando a sua vaga nas oitavas de final. Os foxes já estavam classificados, e tinham garantido a primeira colocação na rodada anterior. O Copenhagen, que bateu o Club Brugge, ficou no terceiro posto, e irá para os mata-matas da Europa League.

No grupo H, a Juventus recebeu o Dínamo Zagreb, e venceu por 2 a 0, confirmando o primeiro lugar do grupo. Já o Sevilla, foi até a França, encarar o Lyon, e segurou o 0 a 0, garantindo o segundo lugar da chave, e mandando o Lyon para a Europa League. Por último, no grupo E, que já estava definido, Monaco e Bayer Leverkusen se enfrentaram na Alemanha, com vitória dos aspirinas por 3 a 0. Ainda por esta chave, o Tottenham fez 3 a 1 no CSKA Moscou em Londres, e se garantiu no mata-mata da Liga Europa.


Confira todos os resultados da quarta de Champions:




Os Potes para o Sorteio das Oitavas da Champions League 2016-2017

Potes para o Sorteio das Oitavas da Champions League 2016-2017

A arte de dominar sem a bola: o 3-4-3 do Chelsea de Conte


Após a Euro, Conte assumiu o Chelsea, e tinha na Premier League, um desafio enorme. Muitos acreditavam que o seu esquema com três zagueiros não daria certo, mas estavam bem enganados. Até aqui, os Blues já golearam o Manchester United (4 a 0) e o Everton (5 a 0), e derrotaram o Manchester City (3 a 1), sendo líderes absolutos da liga mais rica do planeta. Desta vez, o 3-4-3 foi o sistema utilizado, e potencializou de maneira absurda as principais peças do elenco. Pedro, Hazard e Diego Costa, formando o setor ofensivo, voltaram a jogar como atuavam no auge de suas carreiras, e David Luiz, escanteado no PSG, pareceu encontrar o seu lugar atuando como homem de sobra na zaga.

A maneira como o Chelsea de Conte dominou a troca de passes do Manchester City de Guardiola, e conseguiu o contra-ataque de maneira rápida, foi espantosa. A transição do movimento defensivo para o ofensivo foi extremamente rápida, e é com movimentos que o Chelsea domina o seu adversário. Bem armado em campo, podendo se fechar no 5-3-2 ou no 5-4-1 de uma hora para outra, o time encaixa coberturas, marca a saída de bola, sufoca o rival. O mesmo pode até ter a bola, mas não consegue produzir, e ameaçar a meta do goleiro Courtois como gostaria.

Chelsea football formation

E para piorar, quando perde o esférico, o adversário acaba vendo um Chelsea capaz de o devorar. Moses e Alonso são os alas, e dão a profundidade necessária no ataque, deixando que os três atacantes joguem por dentro. Se Pedro volta mais para participar do movimento defensivo, e Diego Costa fica com a missão de prender a zaga do adversário, Hazard até volta para marcar, mas em alguns momentos joga mais despreocupado, podendo pensar apenas em fazer a diferença com a sua qualidade individual. O 3-4-3, e a maneira como as peças são compostas no campo, possibilitam uma transição rápida, tanto da defesa para o ataque, quanto do ataque para a defesa, chegando ao equilíbrio tão desejado por qualquer bom treinador, mas tão difícil de ser alcançado. Hoje, um grande time de futebol não é aquele que sabe jogar de uma maneira de forma brilhante, mas o que sabe atuar de maneira diferente em cada situação e/ou momento do jogo.

Com esta maneira de jogar, o Chelsea lidera a Premier League, e hoje parece o favorito ao título. No conjunto elenco, técnico e consistência, o time parece mais equilibrado que o City, o Liverpool de Klopp, o Arsenal de Wenger, o Tottenham de Pochettino e o United de Mourinho. Dominando sem a bola, os Blues vão se tornando sólidos como uma rocha, que dificilmente será quebrada com facilidade no decorrer da temporada.


Besiktas tropeçou, evitando o fracasso do Benfica



O Benfica está pelo segundo ano seguido nas Oitavas de final da UEFA Champions League. As águias passaram longe de ter um desempenho brilhante nesta fase de grupos, onde estavam na chave B, e inclusive, perderam os seus dois jogos para o Napoli, e só empataram suas duas partidas contra o Besiktas. Sim, mas mesmo sem vencer os times mais fortes do grupo, fizeram o básico, batendo o Dínamo de Kiev duas vezes, enquanto os turcos, protagonizaram um tombo enorme nesta Terça na Ucrânia.



O Besiktas precisava apenas vencer o Dínamo de Kiev, já eliminado, para se classificar para as oitavas de final. Contudo, o time turco tropeçou feio, e acabou sendo goleado por 6 a 0, em jogo onde acabou prejudicado pela arbitragem, e se desmanchou. No estádio da Luz, o Benfica jogava em casa, precisando só vencer o Napoli para terminar na liderança deste grupo B. Contudo, os comandados de Rui Vitória tiveram uma atuação fraca, acabaram dominados amplamente pelos italianos. Não fosse o tropeço do Besiktas na Ucrânia, teriam sido eliminados. 

Desde o começo do jogo, o Benfica procurou encurtar espaços, aproximando as suas linhas e dificultando a saída de de bola dos comandados de Maurizio Sarri. Se os primeiros 20 minutos de jogo foram de equilíbrio, com o Benfica tendo a posse, no restante da partida, especialmente no segundo tempo, o Napoli foi quem dominou as ações, e praticamente não deixou o time português sequer atacar. Sem profundidade no ataque, com dificuldades na armação e erros na defesa, o Benfica acabou se perdendo no jogo, e só conseguiu descontar no finalzinho da partida, com um gol de Raúl Jimenez, que contou com falha bizarra de Raúl Albiol.

Por outro lado, o Napoli, dentro da sua inconstância de um jogo para o outro, conseguiu atuar como em seus melhores momentos da temporada. O time Partenopei controlou o Benfica, mesmo sem a bola nos minutos inciais, e no decorrer do jogo passou a dominar com a posse. O lateral Faouzi Ghoulam controlou bem as ações de Salvio e ainda apareceu em alguns momentos no ataque, em uma grande atuação. Marek Hamsík soube encontrar espaços entre as linhas de marcação do Benfica, e conseguiu acionar muito os dois extremos, Lorenzo Insigne e José Callejón. O time melhorou ainda mais após a entrada de Dries Mertens na função de “falso 9”, ganhando muito em mobilidade.

O rápido jogador belga mudou completamente os rumos da partida após ingressar em campo, dando a assistência para Callejón abrir o placar, e marcando o segundo gol, em uma boa jogada individual na área. O 2 a 1 poderia até ter sido ampliado pelos italianos, que exigiram boas defesas do brasileiro Ederson, e viram Pep Reina quase não ser ameaçado.


Confira o que rolou na Terça de Champions League



Tivemos nesta Terça-feira o começo da 6º Rodada da fase de grupos da Champions League 20016-2017, a última antes das Oitavas de final. Ao todo, 16 clubes entraram em campo, e só 8 seguem para a próxima fase do maior interclubes do futebol europeu.

PSG, Arsenal, Barcelona, Manchester City, Atlético de Madri e Bayern de Munique já estavam classificados, nos grupos A, C e D. Faltava apenas a definição das duas vagas do grupo B, que ficaram com Napoli e Benfica. As duas equipes se enfrentaram em Lisboa, com vitória dos italianos por 2 a 1. Mesmo assim, as águias avançaram, já que o Besiktas, que precisava de um triunfo simples para se classificar, acabou perdendo por 6 a 0 para o Dinamo de Kiev, que já estava eliminado.

O dia ainda teve outras goleadas. O Arsenal enfrentou o Basel, goleou por 4 a 1, com hat-trick do atacante espanhol Lucas Perez, e se classificou na primeira colocação da chave A, onde o PSG decepcionou, e apenas empatou em 2 a 2 com o Ludogorets no Parc des Princes. Mesmo com o tropeço, os franceses avançam em segundo, enquanto o Ludogorets irá para o mata-mata da Liga Europa.


A outra goleada da Terça foi do Barcelona, que aplicou um bom 4 a 0 em cima do Borussia Monchengladbach, com um gol de Messi e hat-trick de Arda Turan, em jogo válido pelo Grupo C. O Manchester City terminou como vice-líder , e ficou no 1 a 1 com o Celtic. No Grupo D, o Bayern de Munique derrotou o Atlético de Madrid por 1 a 0 na Allianz Arena, com um golaço de falta de Lewandowski.

Amanhã, teremos a 6º rodada dos demais grupos. Monaco, Bayer Leverkusen, Borussia Dortmund, Real Madrid estão classificados para as oitavas nos grupos E e F, assim como o Leicester no G e a Juventus no H.

Confira abaixo, todos os Resultados da Terça-feira de Champions:

Paris Saint Germain 2x2 Ludogotrts
Basel 1x4 Arsenal
Benfica 1x2 Napoli
Dínamo de Kiev 6x0 Besiktas
Barcelona 4x0 Borussia Mönchengladbach
Manchester City 1x1 Celtic
Bayern de Munique 1x0 Atlético de Madri
PSV 0x0 Rostov

Cristiano Ronaldo é eleito o melhor do mundo por revista inglesa



Cristiano Ronaldo viveu um ano especial, conquistando a UEFA Champions League com o Real Madrid e a Euro 2016 com a seleção de Portugal, e agora vai também acumulando premiações individuais.

Nesta Terça-feira, o português conquistou o prêmio da FourFourTwo de melhor jogador do mundo, o famoso "Four Four Two Top-100". O argentino Lionel Messi, campeão espanhol e da Copa do Rei com o Barcelona, aparece na segunda posição, seguido pelo companheiro de equipe Luis Suárez. Antonie Griezmann, francês do Atlético de Madrid que aparece entre os finalistas do prêmio da FIFA, foi apenas o quarto colocado. Neymar, foi o quinto.

Entre os cem melhores, temos oito atletas brasileiros, além dos naturalizados Pepe e Diego Costa.


Confira abaixo, a lista completa:


100º OUSMANE DEMBELE (meia, 19 anos, França/Borussia Dortmund)
99º PETR CECH (goleiro, 34 anos, República Tcheca/ Arsenal)
98º BLAISE MATUIDI (meia, 29 anos, França/PSG)
97º HAKIM ZIYECH (meia, 23 anos, Marrocos/Ajax)
96º JOAO MARIO (meia, 23 anos, Portugal/Inter de Milão)
95º MOHAMED SALAH (atacantes, 24 anos, Egito/Roma)
94º EVER BANEGA (meia, 28 anos, Argentina/Inter de Milão)
93º JONAS (atacante, 32 anos, Brasil/Benfica)
92º JUAN MATA (meia, 28 anos, Espanha/Manchester United)
91º JULIAN BRANDT (meia, 20 anos, Alemanha/Bayer Leverkusen)
90º ROMELU LUKAKU (atacante, 23 anos, Bélgica/Everton)
89º KALIDOU KOULIBALY (defensor, 25 anos, Senegal/Napoli)
88º ADRIEN RABIOT (meia, 21 anos, França/PSG)
87º FILIPE LUIS (defensor, 31 anos, Brasil/Atletico de Madrid)
86º SANTI CAZORLA (meia, 31 anos, Espanha/Arsenal)
85º ANDREA BARZAGLI (defensor, 35 anos, Itália/Juventus)
84º JAVIER HERNANDEZ (atacante, 28 anos, México/Bayer Leverkusen)
83º KEYLOR NAVAS (goleiro, 29 anos, Costa Rica/Real Madrid)
82º JAMIE VARDY (atacante, 29 anos, Inglaterra/Leicester)
81º HUGO LLORIS (goleiro, 29 anos, França/Tottenham)
80º CARLOS BACCA (atacante, 30 anos, Colômbia/Milan)
79º ILKAY GUNDOGAN (meia, 26 anos, Alemanha/Manchester City)
78º KEVIN GAMEIRO (atacante, 29 anos, França/Atletico de Madrid)
77º SAMUEL UMTITI (defensor, 23 anos, França/Barcelona)
76º MARCELO (defensor, 28 anos, Brasil/Real Madrid)
75º DELE ALLI (meia, 20 anos, Inglaterra/Tottenham)
74º ROBERTO FIRMINO (atacante, 25 anos, Brasil/Liverpool)
73º CLAUDIO MARCHISIO (meia, 30 anos, Itália/Juventus)
72º HARRY KANE (atacante, 23 anos, Inglaterra/Tottenham)
71º MAURO ICARDI (atacante, 23 anos, Argentina/Inter de Milão)
70º MARCO REUS (atacante, 27 anos, Alemanha/Borussia Dortmund)
69º RENATO SANCHES (meia, 19 anos, Portugal/Bayern de Munique)
68º RADJA NAINGGOLAN (meia, 28 anos, Bélgica/Roma)
67º FRANCK RIBERY (atacante, 33 anos, França/Bayern de Munique)
66º ARJEN ROBBEN (atacante, 32 anos, Holanda/Bayern de Munique)
65º JULIAN WEIGL (meia, 21 anos, Alemanha/Borussia Dortmund)
64º MAREK HAMSIK (meia, 29 anos, Eslováquia/Napoli)
63º THIBAUT COURTOIS (goleiro, 24 anos, Bélgica/Chelsea)
62º THIAGO SILVA (zagueiro, 32 anos, Brasil/PSG)
61º XABI ALONSO (meia, 35 anos, Espanha/Bayern de Munique)
60º HENRIKH MKHITARYAN (meia, 27 anos, Armênia/Manchester United)
59º RAPHAEL VARANE (defensor, 23 anos, França/Real Madrid)
58º JOSHUA KIMMICH (defensor, 21 anos, Alemanha/Bayern de Munique)
57º RAHEEM STERLING (meia, 21 anos, Inglaterra/Manchester United)
56º ALEXANDRE LACAZETTE (atacante, 25 anos, França/Lyon)
55º MIRALEM PJANIC (meia, 26 anos, Bósnia/Juventus)
54º JAMES RODRIGUEZ (meia, 25 anos, Colômbia/Real Madrid)
53º JAVIER MASCHERANO (meia, 32 anos, Argentina/Barcelona)
52º ANGEL DI MARIA (meia, 28 anos, Argentina/PSG)
51º PHILIPPE COUTINHO (meia, 24 anos, Brasil/Liverpool)
50º MATS HUMMELS (defensor, 27 anos, Alemanha/Bayern de Munique)
49º KOKE (meia, 24 anos, Espanha/Atletico de Madrid)
48º RAPHAEL GUERREIRO (defensor, 22 anos, Portugal/Borussia Dortmund)
47º PAULO DYBALA (atacante, 23 anos, Argentina/Juventus)
46º THIAGO ALCANTARA (meia, 25 anos, Espanha/Bayern de Munique)
45º PEPE (zagueiro, 33 anos, Brasil e Portugal/Real Madrid)
44º DOUGLAS COSTA (atacante, 26 anos, Brasil/Bayern de Munique)
43º EDINSON CAVANI (atacante, 29 anos, Uruguai/PSG)
42º KARIM BENZEMA (atacante, 28 anos, França/Real Madrid)
41º DIEGO COSTA (atacante, 28 anos, Brasil e Espanha/Chelsea)
40º DIMITRI PAYET (meia, 29 anos, França/West Ham)
39º GIORGIO CHIELLINI (defensor, 32 anos, Itália/Juventus)
38º JAN OBLAK (goleiro, 23 anos, Eslovênia/Atletico de Madrid)
37º RIYAD MAHREZ (meia, 25 anos, Argélia/Leicester)
36º ARTURO VIDAL (meia, 29 anos, Chile/Bayern de Munique)
35º SERGIO RAMOS (defensor, 30 anos, Espanha/Real Madrid)
34º GIANLUIGI BUFFON (goleiro, 38 anos, Itália/Juventus)
33º TOBY ALDERWEIRELD (defensor, 27 anos, Bélgica/Tottenham)
32º DAVID SILVA (meia, 30 anos, Espanha/Manchester City)
31º DAVID DE GEA (goleiro, 26 anos, Espanha/Manchester United)
30º N’GOLO KANTE (meia, 25 anos, França/Chelsea)
29º GERARD PIQUE (defensor, 29 anos, Espanha/Barcelona)
28º DAVID ALABA (defensor, 24 anos, Áustria/Bayern de Munique)
27º EDEN HAZARD (atacante, 25 anos, Bélgica/Chelsea)
26º IVAN RAKITIC (meia, 28 anos, Croácia/Barcelona)
25º LEONARDO BONUCCI (defensor, 29 anos, Itália/Juventus)
24º PHILIPP LAHM (defensor, 33 anos, Alemanha/Bayern de Munique)
23º TONI KROOS (meia, 26 anos, Alemanha/Real Madrid)
22º SERGIO BUSQUETS (meia, 28 anos, Espanha/Barcelona)
21º DIEGO GODIN (defensor, 30 anos, Uruguai/Atletico de Madrid)
20º MESUT OZIL (meia, 28 anos, Alemanha/Arsenal)
19º ANDRES INIESTA (meia, 32 anos, Espanha/Barcelona)
18º ZLATAN IBRAHIMOVIC (atacante, 35 anos, Suécia/Manchester United)
17º ALEXIS SANCHEZ (atacante, 27 anos, Chile/Arsenal)
16º JEROME BOATENG (defensor, 28 anos, Alemanha/Bayern de Munique)
15º GONZALO HIGUAIN (atacante, 28 anos, Argentina/Juventus)
14º PAUL POGBA (meia, 23 anos, França/Manchester United)
13º PIERRE-EMERICK AUBAMEYANG (atacante, 27 anos, Gabão/Borussia Dortmund)
12º LUKA MODRIC (meia, 31 anos, Croácia/Real Madrid)
11º THOMAS MULLER (atacante, 27 anos, Alemanha/Bayern de Munique)
10º MANUEL NEUER (goleiro, 30 anos, Alemanha/Bayern de Munique)
9º SERGO AGUERO (atacante, 28 anos, Argentina/Manchester City)
8º KEVIN DE BRUYNE (meia, 25 anos, Bélgica/Manchester City)
7º ROBERT LEWANDOWSKI (atacante, 28 anos, Polônia/Bayern de Munique)
6º GARETH BALE (meia, 27 anos, País de Gales/Real Madrid)
5º NEYMAR (atacante, 24 anos, Brasil/Barcelona)
4º ANTOINE GRIEZMANN (atacante, 25 anos, França/Atletico de Madrid)
3º LUIS SUÁREZ (atacante, 29 anos, Uruguai/Barcelona)
2º MESSI (atacante, 29 anos, Argentina/Barcelona)
1º CRISTIANO RONALDO (atacante, 31 anos, Portugal/Real Madrid)


Os maiores artilheiros da História da Liga dos Campeões da Europa

Os maiores artilheiros da História da Liga dos Campeões da Europa


Maiores artilheiros da História da Liga dos Campeões

E o famoso recorde de Raúl foi batido ainda na Liga dos Campeões 2014/15. Com os três gols que marcou contra o APOEL, Lionel Messi se tornou o maior artilheiro da história da UEFA Champions League.

Então, é uma boa hora para recordar quem são os maiores artilheiros da História da maior competição da Europa. Os números abaixo podem se modificar de acordo com as próximas rodadas, já que jogadores como Cristiano Ronaldo, Lionel Messi, Karim Benzema e Zlatan Ibrahimobic ainda estão em atividade e defendendo clubes do Velho continente. Nós pretendemos ir atualizando a cada rodada da Champions, então não deixe de acompanhar. E no Final, você pode dar a sua opinião lá nos comentários: Quem vai alcançar o gol 100 na Liga dos Campeões primeiro: Messi ou Cristiano Ronaldo? Sua participação é muito importante


Os maiores artilheiros da história da UEFA Champions League:


1° - Cristiano Ronaldo - 95 gols
2° - Lionel Messi - 93 gols
3° - Raúl González - 71 gols
4° - Ruud van Nistelrooy - 56 gols
5° - Thierry Henry - 50 gols
6° - Di Stéfano - 49 gols
7° - Benzema e Shevchenko - 48 gols
8° - 
Zlatan Ibrahimovic - 47 gols
9° - Inzaghi e Eusébio - 46 gols



_________________________________


Tags: Maiores artilheiros da História da Liga dos Campeões , Maiores artilheiros da História da UEFA Champions League

Lewandowski está virando um grande batedor de faltas

Lewandowski está virando um grande batedor de faltas

O Bayern de Munique recebeu o Atlético de Madrid na Allianz Arena nesta Terça-feira. O jogo, pouco interessava em termos de tabela, já que os espanhóis haviam assegurado a primeira colocação na rodada anterior, mas mesmo assim atraiu as atenções do planeta, pois é uma potencial final de Liga dos Campeões, como já foi outrora.

E por mais que o Atlético não tenha feito um jogo ruim, dá para dizer que o Bayern foi superior. Em partida com grande atuação de Thiago Alcântara, Lewandowski, cobrando falta, fez o gol da vitória dos bávaros por 1 a 0. Ele repete a dose, depois de marcar assim também contra o Mainz pela Bundesliga, e vai se tornando um atacante ainda mais completo.


Copa do Mundo de 2006: Itália Tetracampeã.

Copa do Mundo de 2006 : Itália é Tetracampeã .



Deve ser realmente magnífica a sensação de voltar a ganhar uma Copa do Mundo, após 24 anos. Foi esta a sensação que os Italianos provaram em 2006. E isto que eles nem chegaram como favoritos.... 


A Copa do Mundo de 2006 começou com o Foco na Seleção Brasileira, e em seu quadrado mágico, formado por Ronaldinho, Ronaldo, Kaká e Adriano, e que ainda tinha Robinho na reserva. Muitos diziam que o Hexa já estava garantido, e que o Brasil só perdia para ele mesmo. Só que a seleção Brasileira se arrastou nos gramados alemães, e após quatro vitórias em que mal jogou para o gasto, sobre Croácia, Austrália, Japão e Gana, encontrou a França nas quartas de Final. Foi aí que apareceu, mais uma vez Zidane. Além de ter tido uma atuação fantástica, Zizou fez a cobrança de falta que parou em Henry. O centroavante do Arsenal fuzilou as redes defendidas pelo goleiro Dida, e abateu o sonho Brasileiro do hexa. 

A França ainda passaria por Portugal de Felipão, Cristiano Ronaldo e Figo nas semi-Finais, para encarar a Itália na Final. Mas antes de falar desta Final, é hora de falar da Campanha Italiana naquele Mundial.



Os Italianos estrearam vencendo Gana por 2 x 0, em jogo que contou com grande atuação de Pirlo. Na sequência, empate em 1 x 1 com os EUA  e vitória de 2 x 0 sobre a República Tcheca na terceira rodada, garantiram a vaga nas oitavas e a primeira colocação da Chave E para a Itália. 

Nas oitavas, a Azurra encarou a Austrália, que se mostrou um adversário mais duro do que o esperado. Com um gol solitário de Totti cobrando pênalti, a Itália conseguiu a magra vitória por 1 a 0 que a colocou nas quartas, para encarar outra zebra: a Ucrânia de Shevchenko, que na época era ídolo no Milan.

A Itália teve contra a Ucrânia, a tranquilidade que não teve contra a Austrália. Venceu por 3 x 0 de maneira incontestável, com dois gols do centroavante Luca Toni e um do lateral Zambrota, se garantindo na semi-Final, onde seu adversário seria, nada mais, nada menos que a Dona da Casa, a Alemanha.

Pirlo e Ballack: maestros passaram em branco nos 90 minutos.


O Westfalenstadion estava lotado, com uma multidão nas arquibancadas cantando e torcendo para a Alemanha. Incentivados, os Germânicos partiam para o ataque, mas paravam ainda no excelente meio-campo Italiano, formado por Gattuso, Pirlo, Perrotta e Camoranesi. Na melhor chance dos donos da casa, Buffon defendeu um bom chute de Schneider. A Itália quase marcou com Perrotta, mas Lehmann fez milagre. O jogo terminou empatado em 0  x 0 no tempo normal. Parecia que o placar ia se repetir na prorrogação e a partida seria decidida nas penalidades. Engano.

Parecendo ter mais folego, a Itália cresceu na prorrogação, onde viveu o seu melhor momento naquela Copa do Mundo. Meio travada, a Alemanha até tentou ir para o ataque, mas sentiu a difícil prorrogação nas quartas de final contra a Argentina.

Marcelo Lippi foi com tudo para cima da Alemanha, e promoveu as entradas de Iaquinta e Del Piero nos lugares de Perrota e Camoranesi. Com isto, a Azurra conseguia manter mais a posse de bola, e causava pavor na torcida alemã, que via sua seleção sem força no contra-golpe. Pirlo quase marcou em uma bomba de fora da área, que obrigou grande defesa de Lehmann. Minutos depois, após uma cobrança de escanteio mal afastada pela defensiva alemã, Pirlo deu uma assistência genial para Fábio Grosso, lateral que curtia uma de atacante. Como um experiente centroavante matador, Grosso acertou um chute direto, de esquerda, e colocou a Itália na frente do placar.

Desesperada e sem forças, a Alemanha foi para o abafa, e insistiu no chuveirinho, contra uma zaga Italiana que tinha Fabio Cannavaro. O zagueiraço ganhava todas as bolas pelo alto, e deu espaços para o perigoso contra-ataque Italiano. Em uma bola perdida por Podolski, Totti puxou contragolpe e encontrou Gilardino, que por sua vez tocou para Del Piero, que genialmente encobriu o goleiro alemão Lehamann, e colocou a Itália na Final da Copa, onde a Azurra encararia a França.

A decisão da Copa do Mundo de 2006 foi muito equilibrada. A França conseguiu marcar primeiro, com Zidane cobrando pênalti aos sete minutos. A Itália empatou aos 19, com o zagueirão Materazzi, de cabeça, após cobrança de escanteio de Pirlo.

Depois de um jogo muito disputado, a partida foi para a prorrogação. Nela os autores dos gols no tempo normal se envolveram em uma polêmica. Zidane deu uma espécie de Cabeçada no peito de Materazzi, que também encenou um pouco. O lance cavou a expulsão de Zizou, que era a grande figura daquela seleção francesa. Sem seu principal jogador, Les Bleus pouco ameaçaram a Itália, e a decisão foi para os pênaltis.

Com mais sangue frio, a Itália aproveitou bem suas cobranças e se tornou Tetracampeã Mundial de futebol, voltando a vencer uma Copa após 24 anos .











Tabela da Copa de 2006




GRUPO A


09/06 13:00 Alemanha 4 x 2 Costa Rica
09/06 16:00 Polônia 0 x 2 Equador 
14/06 16:00 Alemanha 1 x 0 Polônia 
15/06 10:00 Equador 3 x 0 Costa Rica 
20/06 11:00 Equador 0 x 3 Alemanha 
20/06 11:00 Costa Rica 1 x 2 Polônia 

GRUPO B


10/06 10:00 Inglaterra 1 x 0 Paraguai 
10/06 13:00 Trinidad e Tobago 0 x 0 Suécia 
15/06 13:00 Inglaterra 2 x 0 Trinidad e Tobago 
15/06 16:00 Suécia 1 x 0 Paraguai 
20/06 16:00 Suécia 2 x 2 Inglaterra 
20/06 16:00 Paraguai 2 x 0 Trinidad e Tobago 

GRUPO C


10/06 16:00 Argentina 2 x 1 Costa do Marfim 
11/06 10:00 Servia e Montenegro 0 x 1 Holanda 
16/06 10:00 Argentina 6 x 0 Sérvia e Montenegro 
16/06 13:00 Holanda 2 x 1 Costa do Marfim 
21/06 16:00 Holanda 0 x 0 Argentina 
21/06 16:00 Costa do Marfim 3 x 2 Servia e Montenegro 

GRUPO D


11/06 13:00 México 3 x 1 Irã 
11/06 16:00 Angola 0 x 1 Portugal 
16/06 16:00 México 0 x 0 Angola
17/06 10:00 Portugal 2 x 0 Irã 
21/06 11:00 Portugal 2 x 1 México 
21/06 11:00 Irã 1 x 1 Angola 

GRUPO E


12/06 16:00 Itália 2 x 0 Gana
12/06 13:00 Estados Unidos 0 x 3 República
17/06 16:00 Itália 1 x 1 Estados Unidos 
17/06 13:00 República Checa 0 x 2 Gana 
22/06 11:00 República Checa 0 x 2 Itália 
22/06 11:00 Gana 2 x 1 Estados Unidos 

GRUPO F


12/06 10:00 Austrália 3 x 1 Japão 
13/06 16:00 Brasil 1 x 0 Croácia
18/06 13:00 Brasil 2 x 0 Austrália 
18/06 10:00 Japão 0 x 0 Croácia 
22/06 16:00 Japão 1 x 4 Brasil 
22/06 16:00 Croácia 2 x 2 Austrália 

GRUPO G


13/06 13:00 França 0 x 0 Suíça 
13/06 10:00 Coréia do Sul 2 x 1 Togo
18/06 16:00 França 1 x 1 Coréia do Sul 
19/06 10:00 Togo 0 x 2 Suíça 
23/06 16:00 Togo 0 x 2 França 
23/06 16:00 Suíça 2 x 0 Coreia do Sul 

GRUPO H


14/06 10:00 Espanha 4 x 0 Ucrânia 
14/06 13:00 Tunísia 2 x 2 Arábia Saudita
19/06 16:00 Espanha 3 x 1 Tunísia 
19/06 13:00 Arabia Saudita 0 x 4 Ucrânia 
23/06 11:00 Arabia Saudita 0 x 1 Espanha 
23/06 11:00 Ucrânia 1 x 0 Tunísia 

OITAVAS-DE-FINAL


24/06 12:00 Alemanha 2 x 0 Suécia 
24/06 16:00 Argentina 2 x 1 México
25/06 12:00 Inglaterra 1 x 0 Equador 
25/06 16:00 Portugal 1 x 0 Holanda 
26/06 12:00 Itália 1 x 0 Austrália 
26/06 16:00 Suíça 0 x 0 (0x3) Ucrânia

27/06 12:00 Brasil 3 x 0 Gana 
27/06 16:00 Espanha 1 x 3 França 

QUARTAS-DE-FINAL


30/06 12:00 Alemanha
* nos pênaltis  1 x 1(4x2) Argentina

30/06 16:00 Itália 3 x 0 Ucrânia 
01/07 12:00 Inglaterra
* nos pênaltis 0 x 0 (1x3) Portugal

01/07 16:00 Brasil 0 x 1 França


SEMIFINAL


04/07 16:00 Alemanha 0 x 2 Itália 
05/07 16:00 Portugal 0 x 1 França 


DISPUTA DO 3° LUGAR


08/07 16:00 Alemanha 3 x 1 Portugal 

Final da Copa do Mundo de 2006

Itália 1 (5) x (3) França 

Escalações :

Itália: Buffon, Zambotta, Canavaro, Materazzi e Grosso; Gattuso, Pirlo , Perrota (Iaquinta) e Camoranesi (Del Piero) ;Totti (De Rossi) e Luca Toni. Técnico: Marcelo Lippi

França: Barthez , Sagnol , Thuram, Galas e Abidal; Makelele, Vieira (Diarra), Malouda , Zidane e Ribery (Trezeguet); Henry (Wiltord). Técnico: Ramond Domenech

Árbitro: Horácio Elizondo (Argentina)

Local: Berlim, Alemanha 

Gols: Zidane (pênalti), aos sete minutos - França ; Materazzi , aos 19 minutos - Itália .

Copa do Mundo de 1978 - O primeiro título da Argentina

Copa do Mundo de 1978 - O primeiro título da Argentina


Em 1978, a Copa do Mundo retornou ao Continente Sul-americano, só que desta vez, a Argentina recebeu de maneira inédita e até hoje única, a competição. O momento não era o melhor no continente, com várias complicações políticas e econômicas, ditaduras instaladas e o Tráfico de Drogas começando a reinar. Junte isto, ao Frio dos Pampas e a ausências importantes, como Beckembauer que havia se aposentado, Cruyff que não foi ao Mundial, e jogadores como Platini e Maradona, que eram meros garotos, e temos uma Copa que não foi tão boa quanto sua predecessora ou mesmo sua sucessora.

Em contrapartida, Seleções Tradicionais, como Hungria, Áustria, Espanha e França retornavam à Copa, e a africana Tunisia e a asiática Irã faziam suas estreias em Mundiais.


Menos mal que a ditadura argentina não chegou a influenciar diretamente na Copa, e casos graves de violência não foram identificados. Ainda tivemos grandes jogadores na disputa , como Hans Krankl, Teofilio Cubillas, Paolo Rossi, Karl-Heinz Rummenigge, Kenny Dalglish e Johan Neeskens. O grande nome da Copa, no entanto seria um Herói do País-sede: Mario Alberto Kempes.



World-cup-Argentina-1978-logo.gif




Como Tradição, o país sede, a Argentina, ficou no grupo A. Com um bom começo, o selecionado albiceleste venceu por 2 x 1, nas duas primeiras partidas, Hungria e França. Outra gigante do Futebol Mundial também estava neste grupo A: a Itália, que também bateu a França e a Hungria por 2x1 nas duas primeiras partidas. Na terceira rodada, Itália e Argentina se enfrentaram para decidir quem ficaria com a primeira colocação. E deu Itália, com vitória por 1 x 0.

A Copa de 1978 apresentou a seleção que seria a precursora das Zebras Africanas: a Tunísia, que estava no grupo B. As águias do Cartago, como ficaram conhecidas, venceram o México por 3 x 1 na sua primeira partida em Copas, e ainda arrancaram um empate sem gols com a Alemanha. A única derrota da Tunísia foi por 1 x 0 para a Polônia, que terminou na liderança da chave. A Alemanha Ocidental, com um empate sem gols com a Polônia e uma goleada de 6 x 0 sobre o México, ficou em segundo, com os Tunisianos conseguindo uma honrosa terceira colocação.


O Brasil ficou no grupo C, e estreou empatando em 1 x 1 com a Suécia, em um jogo polêmico: Já nos acréscimos da partida, houve um escanteio a favor do Brasil, e o árbitro encerrou o jogo com a bola ainda no ar. Zico, disputando seu primeiro jogo em Copas, marcou para o Brasil, mas o jogo já havia sido encerrado.O Lance gerou muita reclamação do time brasileiro, que na sequencia decepcionaria de novo, empatando sem gols com a Espanha. A seleção canarinho só conseguiu avançar para a segunda fase graças à uma vitória por 1 x 0 sobre a Áustria na terceira rodada, com gol de Roberto Dinamite. Mesmo com a derrota, os Austríacos ficaram na liderança da chave, com o Brasil em segundo. 

A atual Vice-campeã Holanda, demonstrou ter caído um pouco de nível na primeira fase. Obteve um empate sem gols contra o Peru e perdeu por 3 x 2 para a Escócia. Avançou em segundo lugar, no entanto, pois goleou o Irã por 3 x 0 na primeira rodada, e na segunda, os Escoceses deram uma grande bobeada ao empatarem em 1 x 1 com os iranianos. Os Peruanos ficaram na liderança do grupo. 

Na segunda fase, os donos da Casa caíram no Grupo 2, ao lado de Polônia, Peru e Brasil. Na primeira rodada, o Brasil goleou o Peru por 3 x 0, e a Argentina derrotou a Polônia por 2 x 0. Na sequência, tivemos o Eterno Clássico Brasil e Argentina, que foi até certo ponto decepcionante, e terminou empatado, sem gols. Na última e decisiva rodada, o Brasil derrotou na Preliminar a Polônia por 3 x 1, e chegou a comemorar a vaga para a final, mas não sabia o que ainda estava por vir. A Argentina, que precisava tiarar uma diferença de quatro gols de saldo para o Brasil, enfiou um sonoro 6 x 0 em cima do Peru, com gols de Kempes (2x), Tarantini, Luque (2x) e Houseman. Muita coisa é dita sobre este jogo, como uma certa facilitação do goleiro Peruano Quiroga, que era argentino de nascimento ou ameaças, mas o que ficou eminente foi a qualidade do Esquadrão argentino, que iria disputar a Final contra a holanda, que havia se classificado no grupo 1, tirando Itália, Alemanha e Áustria da disputa.




6068200


Na decisão, no dia 25 de junho de 1978, o Estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, recebeu uma fanática e fervorosa torcida argentina, que não duvidava da vitória de sua seleção. No primeiro tempo, Kempes abriu o placar para a Argentina, mas no final do jogo, Nanninga empatou para a Holanda, que ainda meteu uma bola na trave com Rensembrink. Contudo, na prorrogação, não teve jeito: Kempes marcou de novo, se transformando no nome da Copa, e com mais um gol Bertoni, a Argentina se sagrou campeã do Mundo pela primeira vez.



Resultados da Copa do Mundo de 1978:





GRUPO A      
02/06-Itália2 x 1FrançaMar del Plata
02/06-Argentina2 x 1HungriaBuenos Aires
06/06-Itália3 x 1HungriaMar del Plata
06/06-Argentina2 x 1FrançaBuenos Aires
10/06-França3 x 1HungriaMar del Plata
10/06-Itália1 x 0ArgentinaBuenos Aires
GRUPO B      
01/06-Polonia0 x 0Alemanha OcidentalBuenos Aires
02/06-Tunisia3 x 1MéxicoRosario
06/06-Polonia1 x 0TunisiaRosario
06/06-Alemanha Ocidental6 x 0MéxicoCordoba
10/06-Tunisia0 x 0Alemanha OcidentalCordoba
10/06-Polonia3 x 1MéxicoRosario
GRUPO C      
03/06-Brasil1 x 1SuéciaMar del Plata
03/06-Áustria2 x 1EspanhaBuenos Aires
07/06-Áustria1 x 0SuéciaBuenos Aires
07/06-Brasil0 x 0EspanhaMar del Plata
11/06-Brasil1 x 0ÁustriaMar del Plata
11/06-Espanha1 x 0SuéciaBuenos Aires
GRUPO D      
03/06-Holanda3 x 0IranMendoza
03/06-Peru3 x 1EscóciaCordoba
07/06-Holanda0 x 0PeruMendoza
07/06-Iran1 x 1EscóciaCordoba
11/06-Escócia3 x 2HolandaMendoza
11/06-Peru4 x 1IranCordoba
SEGUNDA FASE      
GRUPO 1      
14/06-Itália0 x 0Alemanha OcidentalBuenos Aires
14/06-Holanda5 x 1ÁustriaCordoba
18/06-Holanda2 x 2Alemanha OcidentalCordoba
18/06-Itália1 x 0ÁustriaBuenos Aires
21/06-Holanda2 x 1ItáliaBuenos Aires
21/06-Áustria3 x 2Alemanha OcidentalCordoba
GRUPO 2      
14/06-Brasil3 x 0PeruMendoza
14/06-Argentina2 x 0PoloniaRosario
18/06-Polonia1 x 0PeruMendoza
18/06-Argentina0 x 0BrasilRosario
21/06-Brasil3 x 1PoloniaMendoza
21/06-Argentina6 x 0PeruRosario
Disp. 3o. Lugar      
24/06-Brasil2 x 1ItáliaBuenos Aires


Ficha Técnica da Final 



Argentina 3 x 1 Holanda (na prorrogação)


Escalações:




Argentina: Fillol; Olguin, Galvan, Passarella e Tarantini; Ardiles, Gallego e Kempes; Bertone, Luque  e Osis. Técnico: César Luis Menotti.


Holanda: Jongbloed,  Poortvleit , Krol  Brendts e Jansesn; Neskeens, Haan e W. van de Kerkhof; R. van de Kerkhof, Rep Rensenbrik. Técnico : E.Happel.

Árbitro: Sergio Gonella (Itália).


Local: Estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, Argentina.


Gols: Kempes aos 27', Nanninga aos 82', Kempes aos 14' e Bertoni aos 25' da prorrogação. .

Top