Os desafios de Corinne na França




Após o fracasso na última Eurocopa Feminina, quando acabou eliminada nas quartas-de-final, a França tem mudanças importantes em seu selecionado. A Federação Francesa de Futebol demitiu Olivier Echouafni, e anunciou Corinne Dia crédito como sua sucessora. Ela treinava o Clermont Football, da Domino's Ligue 2, a segunda divisão francesa, desde o ano de 2014. As Bleues voltam assim a ter uma mulher no comando, algo que não ocorria desde Elisabeth Louise, que ficou no cargo entre agosto de 1997, e janeiro de 2007.

Corinne terá uma missão difícil. A França, conta com uma das melhores seleções de futebol do mundo feminino, em termos de elenco, tem a melhor Liga nacional da Europa, e sediará a Copa do Mundo de 2019, onde será cobrada por resultados. Ainda terá que tentar garantir vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, e na Euro copa de 2021. Vale lembrar, que a França vem de quatro eliminações consecutivas nas quartas-de-final em grandes torneios (Eurocopa 2013, Copa do Mundo de 2015, Jogos Rio-2016 e Eurocopa 2017), e voltar a disputar um lugar nos pódios é fundamental.

Ex-capitã da seleção francesa, Corinne era zagueira, e teve uma carreira de sucesso desde os 17 anos, até que aos 31 anos, uma lesão no joelho a afastou dos gramados. Foi auxiliar técnica na Seleção francesa e treinou o time femino do Soyaux entre 2010 e 2014, até virar uma grande pioneira no comando de uma equipe masculina. Corinne foi convidada para treinar o time masculino do Clermont em julho de 2014, e aceitou o desafio. Muitos acreditavam que seu trabalho não daria certo, e que a sua chegada não passava de uma jogada de marketing do presidente do Clermont, Claude Michy. Em 2014, ele havia contratado a portuguesa Helena Costa, que não suportou o preconceito e ficou poucos dias no cargo, sem chegar a comandar a equipe em um jogo.

Logo na temporada 2014-2015, a sua primeira no comando do Clermont, Corinne já conseguiu salvar uma equipe que era candidata ao descenso para a Ligue 3. No total, somou 12 vitórias, 13 empates e 13 derrotas, num trabalho de grande sucesso. "Eu não sinto uma pressão particular, mais sei que estou em um mundo onde ganhar é sempre fundamental. A minha idéia é transmitir serenidade aos jogadores, para que os mesmos se sintam bem em campo", declarou Corinne logo na sua primeira coletiva após assumir o Clermont. Com um 4-3-3 bem armado, e unindo o grupo, ela encontrou a chave para a aceitação.


No total, Corinne dirigiu o Clemente em 133 jogos, somando 50 vitórias, 39 empates e 44 derrotas. Foi eleita a melhor treinador da segundona Francesa na temporada 2015-2016, quando levou o Clemente ao sétimo lugar, com a terceira folha salarial mais baixa da competição. Se mantendo no cargo até a Copa, Corinne irá para o seu segundo mundial, já que em 2003, jogou a Copa como jogadora. Sua estreia nas Bleus como técnica, será em amistoso contra o Chile, no dia 15 de Setembro.
Tecnologia do Blogger.