Guia da Champions League 2017-2018: Juventus




A Juventus, vem de dois vice-campeonatos europeus e um hexacampeonato nacional. Logo, dá para concluir que é ao menos uma candidata ao título desta Champions League. Contudo, o momento bianconero é de dúvidas, especialmente no contexto europeu. A derrota para o Real Madrid em Cardiff, da maneira como aconteceu, e as saídas de Daniel Alves para o PSG, e Leonardo Bonucci para o Milan, geraram algumas quanto ao poderio do time, especialmente contra outras potências do continente.

Contratado junto ao Bayern com muita pompa, Douglas Costa é, na teoria, o substituto de Daniel Alves, podendo atuar na extrema direita da linha de três do 4-2-3-1, ou como ala num 3-5-2. Contudo, não parece ter condições de atuar na primeira linha em um sistema com quatro defensores em fase defensiva, o que pode diminuir a capacidade do time de alterar o seu sistema tático em um mesmo jogo. Mas, Douglas Costa também pode atuar como meia-central, abrindo uma opção a mais para o técnico Massimiliano Allegri na posição.

No caso de Bonucci, as reposições para a zaga seriam os já contratados Benatia e Rugani, e o recém contratado Howedes, que apresentam sim qualidade, mas talvez ainda não no mesmo nível do novo capitão do Milan, que era uma grande arma bianconera para bater as linhas de pressão dos rivais, graças à sua capacidade no passe longo e curto. A Veccia Signora, além de Douglas Costa, também contratou nesta janela o goleiro Szczesny, o lateral De Sciglio (outro que pode suprir a perda de Dani Alves), o mediocentro Bentancur, o extremo Bernardeschi, e o centro campista Blake Matuidi. Especialmente os dois últimos agregam bastante ao elenco, com o italiano podendo ocupar uma das extremas do time, enquanto Maturidade tem capacidade para atuar no duplo-pivote, ao lado de Pjanic, ou até mais adiantado, dependendo da formatação tática que Allegri adotar.


Juventus - Champions League - Football tactics and formations


Mandzukic continuará sendo uma interessante peça para cuircular da esquerda para o meio, ou eventualmente substituir Higuaín, que seguirá sendo o centroavante. Na meia-central Dybala precisará mais uma vez ser um homem capaz de fazer a diferença. O argentino já mostrou ter talento de um World Class, e parece ser a única peça no elenco da Juve, capaz de fazer a diferença em uma reta final de Champions. Dybala é quase uma versão mais humana de Messi, e terá mais uma vez nesta temporada a possibilidade de se afirmar entre os jogadores do planeta.

Colocada na chave D da Champions League, a Juventus está ao lado de Barcelona, Olimpiacos e Sporting. A vaga nas oitavas-de-final deverá vir, mas lutar com o Barcelona pela primeira colocação é importante, para evitar um rival mais poderoso no primeiro mata-mata.



Imagem: Juventus
Tecnologia do Blogger.