Guia da Champions League 2017-2018: Chelsea





A temporada 2016/17 do Chelsea devolveu ao clube o título inglês e um lugar na UEFA Champions League. Último clube inglês a chegar em uma final de Champions, e último clube a conquistar a Europa, os Blues tentarão desafiar os Gigantes do continente, e já mostraram ter condições para isto. Na temporada passada, a chegada de Antonio Conte deu um up tremendo em um time que conquistou a Premier League dominando rivais, sem se sujeitar ao ''kick-and-rush'', alinhando bem reforços como Marcos Alonso e N'Golo Kanté.

O técnico italiano, potencializou de maneira absurda as principais peças do elenco Blue. Pedro, Hazard e Diego Costa, formando o setor ofensivo, voltaram a jogar como atuavam no auge de suas carreiras, e David Luiz, escanteado no PSG, pareceu encontrar o seu lugar atuando como homem de sobra na zaga de Conte. Bem armado em campo, podendo se fechar no 5-3-2 ou no 5-4-1 de uma hora para outra, o time encaixa coberturas, não dá espaços entre as linhas com um zagueiro ao menos marcando quem atua por ali, e assim sufoca o rival. O mesmo pode até ter a bola, mas não consegue produzir, e ameaçar a meta defendida pelo goleiro Courtois como gostaria.

E para piorar, quando perde o esférico, o adversário acaba vendo um Chelsea fulminante. Moses e Alonso são os alas, e dão a profundidade necessária no ataque, deixando que os três atacantes joguem por dentro. Se Pedro volta mais para participar do movimento defensivo, e Diego Costa fica com a missão de prender a zaga do adversário, Hazard até volta para marcar, mas em alguns momentos joga apenas podendo pensar em fazer a diferença com a sua qualidade individual. O 3-4-3, e a maneira como as peças são compostas no campo, possibilitam uma transição rápida, tanto da defesa para o ataque, quanto do ataque para a defesa, chegando ao equilíbrio tão desejado por qualquer treinador, mas tão complicado de ser alcançado.







De cara, esta temporada 2017/18, será bem mais complicada. Não é fácil disputar de maneira simultânea a Champions e a Premier League. Além disto, os Blues, terão um elenco, talvez, um pouco mais fraco do que o da temporada anterior. Contratado, Rudiger, bem mais jovem, deve somar com relação à John Terry, mas o escanteamento de Diego Costa e a saída de Matic, podem não ser bem supridos. Para os seus lugares, vieram Morata, Drinkwater e Bakayoko, jogadores mais jovens, mas menos prontos. Além deles, ainda foram contratados o goleiro Willy Caballero, que chegou de graça, e o defensor Zappacosta. Contudo, a equipe é a mais pronta da Inglaterra, e tem um estilo de jogo que costuma se dar bem na UCL, o que pode acabar trazendo uma boa campanha.



Imagem: Chelsea
Tecnologia do Blogger.