Europeu Sub-19 2017: resumo final

.


Tivemos nesta primeira quinzena de Julho, na Geórgia, a disputa do Europeu Sub-19 2017. A competição foi a última a se encerrar da temporada 2016/17 da UEFA, e mostrou uma geração de jogadores menos talentosos do que outras, como a do ano passado, onde a França de Mbappé foi campeã, ou a de 2015, onde a Espanha de Ceballos brilhou. Contudo, alguns bons valores mostraram seu talento, e podem despontar no cenário do futebol europeu, já na próxima temporada.


Inglaterra campeã


A Inglaterra vive um 2017 dos sonhos na base. Já foi vice-campeã do Euro Sub-17, semifinalista do Euro Sub-21, Campeã do Campeã Campeã Campeã do torneio de Toulouse, campeã do Mundial Sub-20, e agora, campeã do Europeu Sub-19. O título veio após a vitória sobre Portugal na final por 2 a 1, com gols de Easah Suliman e Lukas Nmecha (Sterling, contra, fez o tento lusitano).

A federação inglesa vem fazendo há alguns anos um trabalho de fortalecimento da que com o objetivo de promover talentos, e ser  campeã do Mundo em 2022. Até aqui, os resultados de base chegam, e só falta ver como estes jogadores serão inseridos no trabalho da seleção principal. Este time Sub-19 mostrou alguns bons valores, e traz mais esperança para os Three Lions.

Neste Europeu Sub-19 disputado na Geórgia, o time do técnico Keith Downing se aproveitou bem do nível dos adversários para chegar ao título. O principal destaque individual foi o extremo-esquerdo Ryan Sessegnon, com o interior Mason Mount crescendo nos jogos finais, ao lado do extremo-direito Isaac Buckley-Ricketts e do mediapunta Marcus Edwards. Na frente, o atacante Lukas Nmecha,foi a referência, de um time que abusou do jogo físico para criar vantagens. Os laterais Dujon Sterling e Jay Dasilva foram mais destaque no apoio do que na marcação, com o goleiro Aaron Ramsdale garantindo boa segurança atrás.

Portugal: mais uma vez, só vice


Campeã do Europeu sub-17 realizado no Azerbaijão em 2016, Portugal não vem obtendo sucesso em termos de títulos, nas demais categorias, já mais avançadas. Na Geórgia, mais uma vez, o time ficou no quase. Durante toda a disputa do Europeu, o goleiro Diogo Costa foi um grande destaque, ao lado dos laterais Diogo Dalot e Abdu Conté, e dos três meio-campistas, principais: Gedson Fernandes, Rui Pires e Domingos Quina. Pouco, se comparado a outras gerações, mas o suficiente para mais uma boa campanha.


República Tcheca: uma esperança


A seleção da República Checa ficou bem perto de chegar na final deste Europeu Sub-19. O time do técnico Jan Suchopárek, era o mais bem organizado do torneio, muito bem estruturado em um 4-4-2, que variava para um 4-5-1, com o atacante Ondrej Sasinka, e os extremos Ondrej Chveja e Michal Sadílek, recuando bastante. Por dentro, o duplo pivote formado por Emil Tischler e Filip Havelka protegia bem os zagueiros Alex Král e Matej Chalus, dando aos laterais Libor Holík e Sadílek a condição de avançar ao ataque.


Holanda: motivos para preocupação


A Holanda, do técnico Maarten Stekelenburg, foi bastante desfalcada para a disputa do Europeu sub-19 realizado na Geórgia, e não apresentou muitos bons valores individuais durante o torneio, exceção feita ao ótimo goleiro Justin Bjilow, seguro pelo alto, contundente, e ágil, apesar da boa estatura. O extremo Javairo Dilrosun, do Manchester City, foi outro a se salvar, gerando sempre vantagens pelo seu lado.

Nem mesmo Piroe, autor de um hat-trick na goleada de 4 a 1 sobre a Alemanha na fase de grupos, manteve boa regularidade. A preocupação vem por conta dos recentes fracassos da seleção principal, que vão se repetindo na base.

As seleções eliminadas na fase de grupos



A Alemanha não levou uma geração tão boa à Geórgia, como era a de 2014, que ganhou o Europeu, por exemplo. Contudo, é para se entender. Os germânicos disputaram em bom nível o Euro Sub-17 e o Mundial Sub-20, e se sagraram campeões do Euro Sub-21 e da Copa das Confederações, com um time de garotos. Neste sentido, a eliminação na fase de grupos da Euro Sub-19, não pode ser tratada como tragédia.

Outra seleção que não pode tratar a eliminação na fase de grupos como tragédia é a Geórgia. Jogando em casa, não precisou disputar as eliminatórias, mas mesmo assim mostrou um bom desempenho, derrotando a Suécia por 2 a 1, e perdendo para a República Tcheca e Portugal, por muito pouco. Os principais destaques do time do técnico Georgi Kipiani, muito sólido na defesa, foram o trio de meias formado por Giorgi Kutsia, Davit Samurkasovi e Giorgi Kochorashvili, além do zagueiro Davit Kobouri. Além das seleções já citadas, a competição ainda teve a participação da Bulgária, que também não teve bom desempenho.


A seleção do Campeonato:


A seleção do Europeu Sub-19 2017 teve: Justin Bjilow; Dalot, Suliam, Chalus e Jay Dasilva; Kutsla, e Rui Pires; Javairo Dilrosun, Mason Mount e Ryan Sessegnon; Lukas Nmecha.
Tecnologia do Blogger.