Grandes Times: o Espanyol de 2004-2007

Grandes Times: o Espanyol de 2004-2007


Na maior parte de sua existência, o Espanyol foi sempre, apenas o outro time da Catalunha. Este é o peso de ser vizinho do grande Barcelona, que se tornou referência do bom futebol na era Guardiola. São quase 120 anos de existência, sem que os Blanquiazules já tenham conquistado La Liga. Algo similar ao que ocorre com o Bayer Leverkusen na Alemanha. Os aspirinas, por sinal, foram os algozes do Espanyol na final da Copa da UEFA 1987-1988,  em uma traumática derrota.

Após vencer em casa por 3 a 0, o time catalão foi derrotado na Alemanha pelo mesmo placar,  e perdeu a taça nos pênaltis. Suas únicas glórias são os títulos da Copa do Rei, conquistados em 1929, 1940, 2000 e 2006. Este último, foi o responsável pela classificação para mais uma Copa da UEFA, que culminou em mais um vice-campeonato cheio de drama.

A formação de um Grande Time



Para buscar a taça da Copa do Rei 2005-2006, o Espanyol montou um timaço, que contava com uma de suas características históricas: a valorização e a presença de vários canteranos. Na titularidade do gol, disputavam posição o basco Gorka Iraizoz, que se destacava pelo amplo domínio da área e o ótimo posicionamento, e o camaronês Carlos Kameni, de muita explosão e reflexos apurados. Os dois se revezavam na meta, sempre mostrando muita qualidade.

A linha de defesa começava pelo ótimo Pablo Zabaleta. Naquela época, um lateral mais explosivo, forte no apoio, sem ainda as tendências atuais de interior. No lado esquerdo, o mediano David García, acabou aos poucos perdendo a posição para o jovem Javi Chica, que também não foi o que prometia no decorrer da carreira. Já o miolo da zaga contava com Dani Jarque e Alberto Lopo.

Na frente da defesa, o brasileiro Eduardo Costa era um verdadeiro cão de Guarda. Moisés Hurtado, Rufete e de la Peña completavam o meio ideal. Especialmente este último, jogador muito habilidoso, era ídolo da torcida, mas castigado pelas lesões, acaba tendo dificuldades para atuar, dando chances aos bons Riera e Juanfran. O ataque tinha Luis García e Tamudo originalmente, mas na campanha da Copa da UEFA, o uruguaio Pandiani, "El Rifle", ganhou todo o protagonismo.

No começo do ciclo, o técnico era Miguel Ángel Lotina, que na sequência deu espaço para o mestre Ernesto Valverde no cargo.

Uma campanha de sucesso



Para chegar na grade decisão da Copa do Rei 2005-2006, o Espanyol eliminou Getafe,  Cádiz e Deportivo La Coruña, até chegar na grande decisão, onde derrotou o Zaragoza por 4 a 1.

Com a taça, o Espanyol se classificou para a disputa da Copa da UEFA 2006-2007. Após passar pelas primeiras etapas, a equipe começou a mostrar sua força ao eliminar o Ajax nas oitavas de final, e posteriormente, nas quartas, vencer em casa por 3 a 2, e resistir à ofensiva do Benfica no Estádio da Luz, assegurando o placar fechado e a vaga para as semifinais.

Nas semifinais da Copa da UEFA 2006-2007, encontrávamos três espanhóis (o próprio Espanyol, Osasuna e Sevilla), e um alemão, o Werder Bremen, que foi justamente o rival dos Catalães. Na semi-final espanhola entre Osasuna e Sevilla, os mandantes venceram: na ida o Osasuna venceu por 1a 0, gol de Soldado. Na volta, em Sevilha, o Sevilla fez 2 a 0, com gols de Luís Fabiano e Renato, e se garantiu na segunda final consecutiva do torneio. Na outra semi-final, o Espanyol passou pelo Werder Bremen com uma vitória de goleada por 3 a 0 na Catalunha, e outra vitória por 2 a 0 na Alemanha.

A final da Copa da UEFA seria 100% Espanhola. O jogo aconteceu em Glasgow, no Hampden Park, na Escócia. De um lado, o estava o Sevilla, atual campeão do torneio. Do outro, o Espanyol, que chegou invicto na decisão. A partida terminou empatada no tempo normal. O Brasileiro Adriano, lateral-esquerdo, abriu o placar para o clube Andaluz, mas Riera empatou para os Catalães. Na prorrogação, Kanouté fez 2 a 1 para o Sevilla, mas o brasileiro Jônatas empatou de novo o jogo, que foi para a decisão por pênaltis.

Nos penais, o goleiro Palop do Sevilla foi o grande herói. Ele defendeu três cobranças do Espanyol, e deu o bicampeonato consecutivo da Copa da UEFA para o Sevilla. Acabava assim o sonho do Espanyol, que começaria a perder forças, e virar um time de meio de tabela.
Tecnologia do Blogger.