Guia da Libertadores 2017

Grupos da Libertadores 2017
Imagem: libero.pe

Guia da Libertadores 2017 


Após duas etapas preliminares, começa nesta Terça-feira a fase de grupos da Copa Libertadores 2017. A nova edição terá novidades, que fazem a ansiedade pelo torneio aumentar. 

A competição vai ocorrer de 07 de março à 29 de novembrocontando assim com mais semanas. Além disso, haverá um acréscimo de clubes em relação as edições anteriores, que consequentemente mudou as vagas de alguns países. O Brasil ganhou mais duas vagas, enquanto os demais países ganharam mais uma vaga cada. Vale lembrar também, que os clubes mexicanos não participarão do torneio Sul-Americano pela primeira vez desde a edição de 1998, por conta do novo Calendário.

esperada fase de grupos da Copa Libertadores começa nesta terça-feira. Botafogo, Atlético-PR, Atlético Tucumán (ARG) e The Strongest (BOL) foram os vencedores das fases preliminares, que contaram com um total de 19 equipes, e se juntam aos 28 clubes já garantidos nas oito chaves. O Brasil será o país com mais representantes (oito), seguido pela Argentina, com seis.

A Libertadores 2017 tem alguns clubes que já foram campeões do torneio anteriormente: Estudiantes, River, San Lorenzo, Santos, Gremio, Flamengo, Palmeiras, Atlético Nacional, Peñarol e Nacional do Uruguai Quatro estreantes estão na Libertadores 2017: Chapecoense, Atlético Tucumán (ARG), Sport Boys Warnes (BOL) e Zulia (VEN).

Os 32 participantes da fase de grupos da Copa Libertadores foram divididos em oito grupos de quatro participantes cada. Os dois primeiros colocados de cada chave avançam para as oitavas, enquanto os terceiros colocados se juntam a outros clubes na segunda fase da Copa Sul-americana.

Confira o Guia, grupo por grupo.



Grupo 1



- Atlético Nacional (Colômbia)

Campeão da Libertadores em 1989 e 2016, o Atlético Nacional mantém o técnico Reinaldo Rueda, mas perdeu suas principais peças ofensivas, como o meia Alejandro Guerra e o atacante Miguel Borja, que vieram reforçar o Palmeiras, e o atacante Orlando Berrío, contratado pelo Flamengo. Lá atrás, a base tem sido mantida, com nomes como o ótimo goleiro Armani e os os laterais Bocanegra e Farid Díaz. Outro que segue é Macnelly Torres, principal armador do time.

- Estudiantes (Argentina)

Tetracampeão continental (venceu a Liberta em 1968, 1969, 1970 e 2009), o Estudiantes contará com seu presidente, Verón, a disposição para atuar. O grande destaque da equipe hoje é o volante Santiago Ascacibar, considerado o sucessor da linha de grandes camisas "5" do futebol albiceleste.

- Barcelona (Equador)

Vice campeão da América em 1990 e 1998, o Barcelona de Guayaquil é o atual campeão equatoriano, e participa da Libertadores pela 24ª vez.


- Botafogo (Brasil)


Depois de passar por Colo-Colo e Olímpia, o Botafogo, do ccompetente treinador Jair Ventura, põe a prova mais uma vez a sua capacidade, em um grupo bastante complicado. Contudo, a equipe vem muito confiante, e reforçada pelo meia argentino Montillo. Ele se junta a uma base muito bem formada, e que tem na força do conjunto seu grande trunfo.




Grupo 2



- Santos

Campeão em 1962, 1963 e 2011, o Santos volta a disputar uma Libertadores, depois de ser vice-campeão brasileiro no ano passado. O peixe não joga o torneio continental desde 2012, quando ainda contava com Neymar e Paulo Henrique Ganso, mas vem forte para a disputa. O técnico Dorival Júnior vem produzindo um trabalho de qualidade desde 2015, sendo o treinador da elite do futebol brasileiro, com mais tempo em um clube atualmente.

- Independiente Santa Fe (Colômbia)

Campeão da Copa Sul-americana em 2015, o Independiente Santa Fe vem forte para a disputa da Libertadores, tentando conquistar o título que lhe falta. O clube conquistou o Campeonato colombiano no final de 2016, derrotando o Tolima na decisão, após eliminar o Atlético Nacional na semifinal.

A força do El Campín, que fica a 2.600 metros de altitude, é um dos trunfos do Santa Fé, muito bem treinado pelo técnico argentino Gustavo Costas.

- Sporting Cristal (Peru)

O Sporting Cristal, do Peru, foi vice-campeão da Libertadores há 20 anos, quando em 1997 perdeu a decisão contra o Cruzeiro. Hoje, um novo vice parece sonho, e tentar passar de fase já é um desafio enorme.

- The Strongest (Bolívia)

O Tigre boliviano é presença constante nas últimas edições da Libertadores, e deve apostar na altitude, e na qualidade do eterno ídolo Chumacero para tentar passar desta fase de grupos.



Grupo 3



- River Plate (Argentina)

Tricampeão da América, o River Plate levantou a taça da Libertadores em 1986, 1996 e 2015, e participa pela 33ª vez da competição. A taça veio logo após o título da Copa da Argentina 2016, quando o clube derrotou o Rosário Central. O time segue com Marcelo Gallardo no comando. Desde a sua chegada, a equipe já conquistou o Campeonato Argentino da Série B, o Campeonato Argentino, a supracitada Copa da Argentina, a Libertadores 2015, a Copa Sul-Americana2014 e a Recopa Sul-Americana 2015.

Após a saída de Andrés D’Alessandro, que retornou ao Internacional, Gallardo tem testado novas idéias, embora a dupla de ataque, formada por Driussi e Alario, siga sendo o forte da equipe. O meia Tomás Andrade passou a ser o grande armador da equipe, que tem tudo para fazer uma boa campanha.


- Emelec (Equador)


Semifinalista em 1995, o Emelec, do Equador, apesar de não contar com a altitude, costuma fazer boas campanhas, e atrapalhar demais o trabalho dos favoritos, mesmo que nunca tenha conquistado a taça.


- Independiente Medellín (Colômbia)


O Independiente Medellín, semifinalista da Libertadores em 2013, e hoje comandado pelo técnico argentino Luis Zubeldia, e deve lutar para seguir vivo nas competições da Conmebol, com boas chances de ser bem sucedido.


- Melgar (Peru)


 O Melgar, do Peru, é uma incógnita. Participa da Libertadores pela quarta vez na história, e jamais passou da fase de grupos.



Grupo 4



- San Lorenzo (Argentina)

Hoje, o San Lorenzo pode ser considerado um time muito forte. A equipe do técnico Diego Aguirre, campeã da Libertadores em 2014, sabe jogar com e sem a bola, tem um comandante competente, e tanto ele, como vários jogadores conhecem o torneio.


- Universidad Católica (Chile)

Tradicional clube chileno, a Universidad Católica aposta no talento do meia Diego Buonanotte, de 28 anos. Formado no River Plate, ele já rodou por várias ligas da Europa e da América, após sofrer um grave acidente de carro na segunda metade da década passada. Chegou na Universidad Católica em 2016, e tenta se reafirmar como um grande nome.


- Flamengo (Brasil)

Dono da maior torcida do Brasil, o Flamengo é hoje liderado pelo ótimo Diego no meio-campo, e ainda reforçou-se com grandes nomes para esta temporada, como o meia-atacante argentino Darío Conca, e o atacante colombiano Orlando Berrío. No ataque, o mengão ainda conta com o ótimo centroavante peruano Paolo Guerrero. Um "9" do tipo que nunca desiste, é o tipo de jogador que todo treinador e torcedor gostaria de poder contar.


- Atlético-PR (Brasil)



O Atlético-PR chega na libertadores após passar com algum drama por duas fases preliminares, e com um elenco com vários jogadores experientes. Só nesta janela, foram contratados o lateral-direito Jonathan, o meia Carlos Alberto e o atacante Grafite, que se juntam ao também veterano Lucho González, e a outros bons nomes, como o volante Otávio e o meia-atacante Pablo. O treinador é outro nome rodado: Paulo Autuori, campeão da competição em 1997 com o Cruzeiro, e em 2005 com o São Paulo.



Grupo 5



- Palmeiras


Fortalecido pela parceria com a Crefisa, o Palmeiras entra na Libertadores muito fortalecido. Só nesta janela, o Verdão buscou contratações de peso, como o volante Felipe Melo, o meia venezuelano Guerra e o atacante colombiano Borja, os dois últimos campeões da Libertadores passada com o Atlético Nacional.

Mesmo com os reforços e o título brasileiro de 2016, o Palmeiras ainda gera desconfianças em seu torcedor. A chegada de Eduardo Baptista para o comando técnico, após a saída de Cuca, gera incertezas, e a pressão pelo título, é grande. Contudo, o elenco é ótimo (o mais forte da América do Sul), Eduardo é competente, e a Libertadores só acaba em Novembro. Basta manter os pés no chão, que a taça pode sim chegar.


- Peñarol (Uruguai)


Atual campeão uruguaio, o Peñarol, pentacampeão da Libertadores, conta com uma camisa muito pesada, e vai tentar lutar, para segur vivo nos torneios continentais.


- Jorge Wilstemann (Bolívia)


O Jorge Wilstemann é uma figura constante na Libertadores, embora não possa contar com a altitude, aliado tradicional dos clubes bolivianos.


- Atlético Tucumán (Argentina)


O Atlético Tucumán vem de façanhas épicas, após se desdobrar para eliminar El Nacional e Júnior Barraquilla nas fases preliminares. Apesar de ter um sistema defensivo menos eficiente que o do antigo comandante Juan Manuel Azconzábal, o Atlético de Pablo Lavallén segue o mesmo estilo, apostando no atacante Zampedri, que segue sendo um dos mais letais da Argentina.





Grupo 6


- Atlético-MG

Agora sob o comando de Roger Machado, o Atlético-MG se reforçou com o volante Elias para a Libertadores, e apesar de ter perdido Lucas Pratto, que  deixou o clube para atuar no São Paulo, manteve Robinho. Agora, será de Fred a responsabilidade de fazer os gols do time.


- Libertad (Paraguai)

Sempre forte em disputas de Libertadores, o Libertad é o clube de coração de Nicolás Leoz, ex-presidente da Conmebol.


- Godoy Cruz (Argentina)


Quarto colocado no Campeonato Argentino anterior, o Godoy Cruz participa da Libertadores pela terceira vez, e não vem bem na atual edição de sua liga nacional, tendo trocado de treinador recentemente. O equatoriano Jaime Ayovi, principal figura da equipe, foi vendido para o futebol chinês, enquanto o centroavante Santiago “Morro” Garcia foi contratado para ser o seu substituto, mas chegou com sobrepeso, e está apenas aprimorando sua forma física.

- Sport Boys (Bolívia)

O Sport Boys não contará com a altitude, que geralmente é a principal arma dos clubes bolivianos, o que pode gerar uma maior facilidade para os adversários.


Grupo 7


- Nacional (Uruguai)

Tradicional força do futebol uruguaio, o Nacional, na teoria, deve brigar com a Chapecoense pela segunda vaga da chave.


- Chapecoense (Brasil)

Remontada, a Chapecoense do técnico Vagner Mancini entra na Libertadores 2017 tentando deixar os traumas para trás, na esperança de voltar a dar alegrias para o seu torcedor.

- Lanús (Argentina)

Atual campeão argentino, o Lanús participa pela sexta vez da Libertadores. Os Granate já conquistaram a Copa Mercosul de 1996 e a Copa Sul-Americana de 2013, vem com um time reforçado por contratações como Germán Denis, Matías Rojas e Hernán Toledo, e atua em um bem momantado 4-3-3 que varia para o 4-1-4-1, sob às ordens do técnico Jorge Almirón. O jogo da equipe é basicamente de posse, apostando muito no extremo Lautaro Acosta, sério candidato á craque desta Libertadores, enquanto o centroavante Sand, pode ser considerado um candidato a artilheiro.


- Zuliá (Venezuela)


Atual vice-campeão Venezuelano, o Zulia deve apenas lutar pelo terceiro lugar da chave, que dá uma vaga na Copa Sul-Americana.



Grupo 8


- Grêmio (Brasil)

Depois de sair da fila e conquistar a Copa do Brasil, o Grêmio agora quer a Copa Libertadores. A base da defesa, com o goleiro Marcelo Grohe e os zagueiros Pedro Geromel e Kanemann segue, enquanto a principal perda, foi a venda de Wallace para o Hamburgo. A lesão do meia Douglas também pode ser lamentada, embora as boas atuações do meia-atacante equatoriano Bolaños minimizem um pouco o fato. O atacante Luan também segue no time, que foi reforçado pelo paraguaio Barrios, em busca de reafirmação na carreira. Esta é a 17ª participação do Grêmio na Libertadores.

- Guaraní (Paraguai)

Treinado pelo técnico argentino Daniel Garnero, o Guaraní do Paraguai é um time muito propositivo, e que gosta de atacar de maneira incisiva. O atacante Hernán Lopez, campeão da Libertadores de 2002 com o Olimpia, e maior artilheiro da história da Copa Sul-americana, é o destaque da equipe.

- Zamora (Venezuela)

Treinado pelo jovem técnico Francisco Stifano, o Zamora já conquistou dois títulos venezuelas, e foi o campeão absoluto em 2016. O ataque, formado por Falcón e Martínez, é o forte da equipe.

- Iquique (Chile)

 Hoje o time chileno mais forte, o Iquique entre bem nesta disputa, e aparece como a segunda força da chave.



O calendário da Copa Libertadores 2017

Fase de grupos: 7 de março a 25 de maio
Oitavas de final: 5 de julho e 9 de agosto
Quartas de final: 13 e 20 de setembro
Semifinais: 25 de outubro e 1º de novembro
Finais: 22 e 29 de novembro
Tecnologia do Blogger.