Alavés superou o Celta e os seus limites para chegar na final da Copa do Rei


Alavés superou o Celta e os seus limites para chegar na final da Copa do Rei
Imagem: Twitter Aitor Karanka


As competições da UEFA (Champions e Europa League), tem sido dominadas pelas equipes espanholas. Nos últimos três  anos, o Real Madrid conquistou a Champions duas vezes, o Barcelona uma. O Sevilla venceu três vezes a Europa League. Ainda são três títulos Mundiais e três títulos de Supercopa. Ou seja, todos os títulos internacionais possíveis. Sendo assim, conquistar La Liga, ou a Copa do Rei, se torna algo realmente relevante.

Chegar na final da Copa do Rei, significa chegar na final da Copa do país que manda na Europa. E o Alavés conseguiu isto. Apenas alguns meses depois de deixar a a segunda divisão. Vale lembrar, que há quatro anos, os bascos disputavam a terceira divisão da Espanha. Após o empate sem gols no duelo de ida na Galícia, o time azul e branco derrotou o Celta de Vigo por 1 a 0 em casa, na volta das semifinais, e assim alcançou a final da Copa da Espanha, onde irá encarar o Barcelona, que eliminou o Atlético de Madrid na outra semifinal. O jogo irá ocorrer no dia 27 de maio, em local a ser definido.



Na partida desta quarta, mais uma vez os times dos técnicos argentinos Mauricio Pellegrino e Eduardo Berizzo entraram em campo pensando mais em se defender, do que em atacar. A partida em Mendizorroza foi bastante truncada, e sem muitas chances de gol. Mesmo jogando em casa, o Alavés manteve a estrutura defensiva mais precavida, como vem fazendo durante toda a temporada, enquanto o Celta até era mais propositivo. Ainda na primeira etapa, Iago Aspas obrigou o goleiro Fernando Pacheco a fazer uma grande defesa para manter o placar fechado.

Na segunda etapa, o Alavés voltou melhor, especialmente por passar a ganhar o meio-campo. Marcos Llorente era um leão na frente da zaga, enquanto a movimentação de Víctor Camarasa, flutuando entre o meio e a defesa do Celta, causava um estrago entre os setores. Mesmo sem um grande circuito de passes e jogadas trabalhadas, a equipe forçava quase todas as jogadas no atacante brasileiro Deyverson, que se virava bem. E já na reta final de jogo, o lateral-direito Kiko Femenía conseguiu roubar uma bola no campo adversário, e após um bom desvio de cabeça de Camarasa, Édgar Méndez mandou a bola para o fundo das redes, colocando o Alavés na frente do marcador, de maneira definitiva. O Celta até pressionou nos minutos finais, mas não foi bem sucedido na tarefa de produzir volume forçado consistente.

O Alavés volta a disputar uma final, 16 anos depois do inesquecível vice-campeonato da Copa da UEFA 2000-01, quando eliminou a Internazionale e só perdeu a decisão para o Liverpool de maneira dramática. Sim, o Barcelona será amplamente favorito, mas as façanhas dos comandados de Mauricio Pellegrino já entraram para a história.
Tecnologia do Blogger.