Navas e Oblak: os goleiros alternativos de Real e Atlético, que virarão protagonistas





Dois goleiros que chegaram em Madri no ano de 2014 para serem reservas dos dois maiores clubes da cidade, serão titulares na final da UEFA Champions League 2015/16, no próximo Sábado, dia 28 de maio. Keylor Navas e Jan Oblak foram dois monstros durante toda a temporada, apagando qualquer desconfiança que ainda pudesse haver sobre eles.





Talento nunca faltou, nem para Navas, nem para Oblak. Contudo, jogadores de zonas sem muita tradição no futebol, como a América Central e alguns países do leste da Europa, tem de ser muito bons para vencer em um grande da Europa. Nem todo o torcedor aceita ter um arqueiro da Costa Rica, ou da Eslovênia defendendo a meta do seu clube, e isto complicou muito o início para os dois paredões.




Navas chegou ao Real Madrid em 2014. Apareceu para o circuito no Albacete, mas chamou a atenção mesmo logo após fazer duas temporadas espetaculares com o Levante, e uma grande Copa do Mundo com a seleção da Costa Rica. Foi contratado para ser o reserva de Casillas. Durante toda a sua primeira temporada no Real, já demonstrou um melhor desempenho que o veterano arqueiro espanhol. Quando atuou, mostrou serviço, inclusive ficando sem sofrer gols nas oportunidades que teve em jogos das fases iniciais da Liga dos Campeões.

Contudo, a temporada acabou, Casillas deixou o Bernabéu, mas Navas seguiu sem ser prestigiado pela direção, que foi até o espanhol buscar Kiko Cassilla, e tentou até o último segundo da Janela usá-lo como moeda de troca para contratar David De Gea. Sim, o espanhol é um excepcional goleiro, mas Navas também não deixa de ser.

Sem muitas opções, Rafa Benítez efetivou Navas como titular do Real, e ele foi quem salvou a cabeça do técnico, durante boa parte de sua passagem pelo Santiago Bernabéu. O Real Madrid só não perdeu mais pontos no 1º turno do Campeonato Espanhol, porque Navas foi sempre uma muralha, e com defesas monumentais, fez o Real seguir vivo, brigando pelo título da competição até a última rodada.

Na Liga dos Campeões, Navas chegou a passar 738 minutos sem sofrer gols, tendo o segundo maior recorde da competição, atrás apenas de Lehmann, que defendeu o Arsenal na década passada. Atuou em 10 jogos na atual edição, sofreu apenas dois gols, e acumulou 9 partidas sem ter as redes vazadas.

Seu repertório de defesas decisivas debaixo das traves lhe deu o apelido de "pantera", mas as qualidades de Keylor vão além disto. Ele é um dos melhores goleiros no 1x1 contra o atacante, e mostrou isto quando atuou exposto. Aos 29 anos, adquiriu uma condição física invejável. A força que tem nas pernas lhe garante uma velocidade de reação que beira a premonição. Sua força mental também é enorme, e ele nunca se abala, meso dentro de momentos complicados em uma partida.

O esloveno Jan Oblak chegou ao Atlético de Madrid em 2014, contratado junto ao Benfica. Titular do Olimpija de Liubliana desde os 16 anos, ele foi trazido para ser o reserva de Moya, que mais experiente, era a contratação para suprir a saída de Thibaut Courtois. Contudo, uma lesão do Espanhol fez Oblak entrar em um jogo contra o Bayer Leverkusen na edição passada da Champions, para nunca mais deixar de ser titular do time de Diego Simeone.

Aos poucos, Oblak foi crescendo, e agregando ainda mais nível. No último Campeonato Espanhol, sofreu apenas e tão somente 18 gols em 38 rodadas, a melhor média da temporada e a melhor média da história da liga espanhola, ao lado da do Deportivo de La Coruña , da temporada 1993/94. Recebeu o Troféu Zamora, e simultaneamente, foi fundamental na Liga dos Campeões.




Na campanha do Atlético, só com campeões nacionais no caminho, Oblak foi majestoso. Segurou o campeão holandês PSV nas Oitavas, o temido Barcelona nas quartas, e o grande Bayern de Munique nas semifinais, inclusive defendendo um pênalti de Müller na Allianz Arena.

Se o contra-ataque do Atlético de Madrid é letal, muito se deve à Oblak. Com os braços, ele inicia a maioria dos lances em velocidade da equipe colchonera, se tornando um goleiro também importante para o setor ofensivo da sua equipe. Com uma excelente saída de gol, ele auxilia também na famosa bola aérea defensiva colchonera.


De um certo modo, dá para dizer que o Real deve mais ter salvado a temporada à Navas, e o Atlético deve mais estar na final da Champions à Oblak, por conta de o caminho colchonero até a final da Champions ter sido bem mais complicado. Ficaria difícil definir quem foi melhor na temporada inteira, ou qual dos dois é mais espetacular


Contudo, só um poderá vencer no próximo Sábado. Ou Navas, ou Oblak saíram derrotados do San Siro, mas por tudo que passaram até aqui, jamais poderão ser chamados de perdedores.
Tecnologia do Blogger.